quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Audiência Pública sobre a educação em Duque de Caxias, com o tema: Educação começa em casa e a infraestrutura das escolas públicas na cidade.

Boa tarde amigos e amigas!
 Por aqui de novo, trazendo para vocês que não estiveram na Audiência Pública que aconteceu na segunda-feira dia 14 de setembro de 2015, numa manhã chuvosa e fria de final de inverno na cidade, com a presença dos profissionais da educação, sociedade civil, pessoas ligadas aos movimentos sociais, pais e alunos. Às 9h 38 min. deu-se início a Audiência Pública na Câmara do Vereadores, com a apresentação dos hinos nacional e da cidade de Duque de Caxias. Seguiu-se as atividades com a apresentação dos membros da mesa que fizeram as falas iniciais. Fizeram parte da composição da mesa, respectivamente, o Deputado Federal pelo Rio de Janeiro Celso Pansera, o SubSecretário de Fazenda Jair Nunes Alves, o estudante e presidente da União dos Estudantes do Rio de Janeiro Rafael, a Professora Rose Cipriano representando o Sepe sindicato da categoria, a Vereadora Fatinha, relatora e presidente da comissão permanente de educação da cidade, a Vereadora Juliana do Táxi, o Professor Nivan, o Vereador Thiago Barreto, o secretário de Educação, Professor Marcos Villaça e o vereador e Coronel Ubiratan. Adiante, passaram-se aos trabalhos para a homenagem à diretora da escola que foi o primeiro lugar no IDEB na cidade, com a entrega da medalha Paulo Freire. Falando do índice da educação básica, o IDEB, a fala da professora Maria Cândida da Escola Municipal Barro Branco, a única escola da rede municipal que não realiza esse exame, ela e muitos de seus colegas educadores discordam do modo como é realizado este tipo de avaliação nas escolas, de modo que às atenções de estudos e conteúdos são quase todas voltadas para a memorização e preparação para às provas, o que é notado pelo péssimo ensino ministrado pela rede. Concordo com a opinião da professora Maria Candida e já presenciei este tipo de comportamento por muitos profissionais das escolas que realizam o exame, onde é feito um tipo de treinamento para a prova e, dessa maneira não é satisfatório o aproveitamento e assimilação de conteúdos fundamentais para o aluno. Dando continuidade as ações, a vereadora que é a relatora da comissão permanente de educação falou do tema da audiência, pediu aos presentes que mantivessem a ordem em suas colocações, sem fazer usos de ofensas e ataques pessoais para manter o bom andamento da reunião. Assim, foram abertas as inscrições das pessoas presentes para fazer o uso do tempo de 2 minutos para elaborarem perguntas e observações à cerca da educação na cidade. Fiz a minha inscrição e, mais 12 pessoas, fizeram o mesmo. Em alguns instantes da reunião, a relatora e presidente da comissão, interviu nas falas dos inscritos, para lembrar que não deveríamos fugir do assunto da audiência, o que de fato não aconteceu em nenhum momento, mas, como a realidade das escolas é muito precária, ficou claro o incômodo dos componentes da mesa que fazem parte do atual governo municipal, afinal, não há avanços significativos na educação nos últimos três anos do atual governo, então, considero que foi uma ótima oportunidade para que pudéssemos fazer as nossas observações e denúncias sobre o descaso que se encontram as escolas públicas em Duque de Caxias, onde nenhuma escola foi construída em 3 anos, nenhuma creche, não há a entrega de material e uniformes suficiente para toda a rede, não há água em várias unidades, falta de aula devido aos mais variados problemas e, a cada ano, a realidade não tem sido animadora.
Passado o momento das falas e denúncias dos inscritos, passamos para as respostas do secretário de educação da cidade, professor Marcos Villaça, que respondeu a maioria dos questionamentos de maneira genérica e sem ações concretas que podemos acompanhar , deixando promessas de transparência em sua gestão e abertura de todas as contas públicas no site da SME, reconheceu que está péssima a infraestrutura e que tem muito trabalho para ser realizado, disse haver ações em andamento e que, todas as solicitações estarão sendo apuradas e respondidas conforme as soluções definidas pela equipe da Secretaria de Educação. Assim, depois de quase 4 horas de debates, denúncias e respostas que nem sempre contemplaram às questões levantadas, encerrou-se a 1ª Audiência Pública de 2015 convocada pelo poder legislativo de Duque de Caxias, RJ, Brasil.

Abaixo algumas imagens deste importante momento para a educação pública em nossa cidade.

 Fazendo a minha fala de 2 minutos...  
A composição da mesa...   
Meu filho João Pedro junto com a gente na audiência, a aula dele hoje foi na Câmara Municipal! Naty Pereira, amiga, Assistente Social do Instituto FormigaKarioca.


Paz e Bem!!

Até breve!

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Cotidiano de lutas!! Duque de Caxias, cidade que movimenta cidades...

Olá amigos!

De volta por aqui, para trazer à vocês um panorama do que foram os últimos dias em Duque de Caxias, no que diz respeito à educação pública na cidade. Chegamos em setembro, avanços foram alcançados, mas ainda existem muitos conflitos e disputas políticas na região que acabam por trazer consequências desagradáveis aos alunos e à população em geral duquecaxiense, que precisa a cada dia se reinventar para conseguir garantir a permanência de seus filhos e crianças nas escolas municipais e estaduais da cidade. Podemos perceber que o que acontece por aqui, é o retrato de todo um sistema educacional público gerido de maneira inconsequente e negligente, por grupos que defendem a lógica do capital e vêem a escola pública como um local que não precisa ter qualidade, pois, o público atendido em sua maioria pela rede pública é composto de filhos da classe trabalhadora, logo, não querem que estes indivíduos tenham as mesmas possibilidades profissionais que tem os seus filhos, estudantes que são preparados para ocuparem cargos mais bem remunerados e, manterem assim, a desigualdade social que tanto percebemos em nosso país.
Graças ao trabalho de profissionais comprometidos com a mudança desta realidade cruel, é possível trazer para a realidade, histórias de superação destas barreiras, como a de jovens que, mesmo enfrentando muitos desafios em suas vidas, oriundos de lugares marginalizados por diversos problemas sociais, ainda assim, conseguem garantir uma vida mais digna para si e para as suas famílias.

Aqui não seria diferente, todos os dias, tenho tido notícias de histórias de sucesso destes indivíduos que foram à luta por seus direitos e hoje são exemplos para todos nós.

Bem, no dia 31 de julho uma sexta-feira, estive em mais uma Reunião do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Duque de Caxias, que ocorreu no Parque Lafaiete no 1º distrito. Estiveram presentes também, figuras públicas, como vereadores e um deputado que é da cidade, além de moradores e pessoas de diversas áreas de atuação na cidade, até representantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, escola federal que funciona na cidade há alguns anos, estiveram presentes fazendo as suas colocações e participando do processo de construirmos realidades mais positivas para os cidadãos duquecaxienses. No momento de minha fala, trouxe alguns dados da pesquisa que venho desenvolvendo há 4 anos, sobre a situação de 16 escolas no 2º distrito da cidade, onde tenho colhido dados sobre muitos aspectos que permeiam a educação na cidade, entre eles, o descumprimento do que a LDB institui que é a garantia dos 200 dias letivos nas escolas, o que só ocorre na rede privada no 2º distrito, fato que tenho acompanhando e, a cada ano, vem se repetindo sem que haja a intervenção do poder público, deixando nossas crianças, jovens e adultos sem acesso a mais este direito. Falei também sobre os casos de falta de profissionais nas escolas, um dos motivos pela falta dos 200 dias letivos. Pude falar também, sobre a polêmica das questões de gênero nas escolas, assunto que precisa sim, com muita urgência ocupar todos os espaços escolares para que possamos desconstruir esta onda de preconceito e desinformação gerada pelo radicalismo político e religioso que assola além de nossos representantes políticos, grande parte da população que não possui mecanismos confiáveis sobre o assunto e apenas repetem informações levianas e incoerentes! 
Precisamos parar com isso, pois, diariamente pessoas são agredidas e até mortas por questões de gênero, posição política ou religiosa em nossa cidade, por isso, é necessário buscarmos sempre a lógica pelo respeito às opiniões e escolhas, pois, não temos o direito de intervir nas questões particulares de cada um.
Após fazer a minha fala, alguns políticos ali presentes, tentaram construir um discurso de explicação para os problemas que relatei, mas, como sabemos, na prática eles ficam longe de serem eficientes no que diz respeito de atender a população com o respeito que ela merece e, ficam em seus cargos para juntarem fortunas e manterem uma posição social de poder econômico.
Vivemos um momento positivo de nossa democracia, onde temos acesso a notícias de vários meios de comunicação e não podemos aceitar tudo que nos chega sem ao menos analisarmos o que foi noticiado. A internet atualmente, tem sido um ótimo instrumento de propagação de lutas pelos direitos e cobranças por soluções para os problemas que enfrentamos. Então, meu caro leitor e amigo, saia do lugar comum e venha para esta luta que também é sua, a luta por direitos!

Agora, algumas imagens dos eventos que tenho marcado presença! Até breve pessoal!!







Paz e Bem!