segunda-feira, 29 de abril de 2013

Tempos de hoje em dia...

Vivemos em uma sociedade que valoriza o que temos em detrimento do que somos,assim,percebemos todos dias,ciclos que se repetem para o mesmos fins...manter a sociedade alienada,dependente e insegura,para que possa "necessitar" ainda mais do poder público,empregam a pior educação possível para que as classes continuem nos mesmo lugares! A Educação de qualidade é direito de todos! Não deve ser apenas privilégio de quem pode "pagar". Não aceito a ideia de capitalismo em que vivemos hoje,onde tudo é ter!!Precisamos refletir seriamente e agir,em função da construção de um mundo melhor para todos!A mídia está impondo tudo para nós,mas, o poder da decisão é nosso! Usem os meios de comunicação com bom senso e importante ferramenta para diversos fins!

Informação importante!!

Nada que diz ser público para nós cidadãos brasileiros, é de graça!Em tudo que compramos nesse país, há uma taxa enorme de impostos, e grande parte vai para o governo, que deveria nos "devolver" esse dinheiro com o oferecimento de serviços dignos como por exemplo;transporte,saúde,educação,etc...


O pior é saber disso tudo e não ter perspectiva de mudança!!

Reformas em diversas áreas já!!!


domingo, 21 de abril de 2013

Meu trabalho!

VOZ FRATERNA
                                      Boletim da Casa de Fraternidade Francisco de Assis
Fevereiro - 2013
Casa de Fraternidade Francisco de Assis
Entidade Civil, sem fins lucrativos, reconhecida como de utilidade pública municipal, estadual e federal, CNPJ 00.242.478/0001-28
Rua Paulo Torres Quintanilha, 170 - Jardim Primavera - Duque de Caxias – RJ / Tel. 2773.0001
Contatos: Vilma:9941.577 7 vilma.g.2008@hotmail.com Antonia: 9602.7228 maecunha@gmail.com Miriam: 9444.6515 cffa@ig.com.br
Muro da Casa de Fraternidade Francisco de Assis decorado pelos nossos jovens, com tampinhas de garrafa Pet.
RECEBENDO OS PRESENTES DE NATAL!
Apresentação da turma do violão ao final da peça apresentada na Festa de Confraternização realizada em 22/12/2012. Iniciamos o ano de 2013 cheios de determinação para dar continuidade ao trabalho feito com os jovens.
Para compartilhar com todos vocês nossa alegria, emoção e o resultado tão positivo dessa nova fase da Casa de Fraternidade Francisco de Assis, juntamos algumas fotos que expressam um pouco de tudo isso. Muito obrigado por tudo!
“Para ser grande, sê inteiro, nada teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes.
Assim, em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive.”
“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”
Fernando Pessoa

Mais trabalhos acadêmicos






                                              http://www.uerj.br/institucional/arquivos/logo_uerj_pb.jpg
Faculdade de Educação da Baixada Fluminense-FEBF-UERJ                                           
Data: 14/02/2013
Professora:
Aluna: Dayse Alves
Disciplina: Perspectiva Histórica das Ideias e Práticas Pedagógicas II

*Com base no manisfesto dos pioneiros de 30 e vídeos, discuta o que foi interessante de lá para cá e utilizado na educação atual. Como aconteceram as transformações nesta área e como eu percebo as mudanças, avanços ou idéias que não se concretizaram. Reflexão crítica sobre a educação atual, o que é válido, o que poderia ser mudado...

A história da educação no Brasil é marcada por desigualdades, interesses de grupos influentes e a ideia de manter o poder nas mãos da classe dominante. No início, no século XX o Brasil tinha 80% de analfabetos, o que se apresentava natural para o país em sua maioria de áreas rurais e reduzidos os espaços urbanos.
Com a chegada dos imigrantes, após a abolição da escravatura, surgiram necessidades educacionais que atendessem as crianças que chegavam com os pais ou nasciam em nosso país. Com o passar do tempo, muitos imigrantes não se adaptaram ao trabalho em fazendas e fixaram suas próprias comunidades, escolas, costumes, preservando a cultura de origem.
O governo brasileiro precisou aumentar o número de escolas para não permitir que escolas estrangeiras ganhassem ênfase naquele momento. Foram feitos investimentos que novamente beneficiaram a classe dominante.
A partir dessas concessões de benefícios a grupos minoritários e interesses individuais de governantes, o Brasil enfrenta um complexo momento de luta por direitos adquiridos nas leis criadas no decorrer de sua história educacional, onde a maioria da população consegue vislumbrar uma melhoria significativa desse quadro.
O projeto de escola pública no país está em crise permanente. É necessário que a educação seja encarada como pilar central de uma nação desenvolvida e democrática, para que possamos formar indivíduos dotados de senso crítico, reflexão e participação política nas decisões que irão influenciar suas vidas.


Trabalhos acadêmicos 2013.



http://www.fss.uerj.br/imagens/logo%20uerj.jpg
UERJ - Faculdade de Educação da Baixada Fluminense-FEBF
Disciplina: Perspectiva Histórica das Ideias e Práticas Pedagógicas
Professora: 
Aluna: Dayse Alves

5º Portifólio

A história nacional brasileira sobre o sistema universitário nos mostra que os modelos elitistas e as ações voltadas para a classe dominante são recorrentes e promovidas com resultados e metas estabelecidas. Com a decisão histórica de garantir através de uma lei que as universidades federais devam reservar 50% de vagas para estudantes negros, carentes ou indígenas, avançamos na luta por mecanismos mais justos de ingressar ao ensino superior público para os estudantes que foram prejudicados por inúmeros e diferentes impedimentos para o aceso a uma educação pública de qualidade, bem como a sua conclusão.
Ainda encontram-se resistências para a concretização de ações que visem a diminuição das desigualdades ao acesso para o ensino superior.
Acredito que uma grande parte dos docentes, mestres e doutores, almejam receber apenas estudantes que tenham tido a oportunidade de preparar-se em colégios e escolas com mais recursos em geral. A partir de experiências de minha graduação, concluí que mesmo que alguns professores não estejam dispostos a ajudar aqueles estudantes que não puderam se preparar como deveriam para a universidade, a sociedade em geral, necessita cobrar do poder público o direito de acesso ao ensino superior público à todos aqueles que foram ao longo da história brasileira sendo excluídos e impedidos desse direito. A criação do sistema de cotas no modelo federal superior é uma conquista que é resultada de lutas e disputas antigas e contraditórias em nosso país em um momento novo de participação popular e de busca por uma sociedade mais justa e igualitária.