segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Vamos refletir sobre os Cieps...


Projeto pedagógico dos Cieps não foi adiante

  • Horário das aulas estendia-se das 8h às 17h
  • Ideia era que as escolas tivessem um ensino padronizado, para que não houvesse diferenças entre elas

Novo modelo. O Ciep Tancredo Neves, no Catete, o primeiro, aberto em 1985 Ana Branco/9-5-2007 / O Globo
RIO — Criados durante o governo de Leonel Brizola, na década de 80, pelo antropólogo Darcy Ribeiro, que era o então vice-governador, os Centros Integrados de Educação Pública (Cieps) tinham o objetivo de proporcionar uma educação em tempo integral para a população carente. O horário das aulas estendia-se das 8h às 17h. Nesse período, as crianças teriam acesso a educação, esportes, assistência médica, alimentos e atividades culturais. O projeto arquitetônico — de autoria de Oscar Niemeyer, que morreu no último dia 5, aos 104 anos — foi uniforme para todas as unidades. Foram construídas 515 escolas, com prédios formados por peças pré-moldadas, feitas de concreto. Essas peças eram produzidas nas fábricas de escolas — uma delas ficava na Av. Presidente Vargas, no Centro.
Ao longo dos anos e de vários governos que sucederam o de Brizola, no entanto, o projeto pedagógico idealizado por Darcy foi deixado de lado. A ideia era que as escolas tivessem um ensino padronizado, para que não houvesse diferenças entre elas.
Mas as mudanças ocorreram, e não só na orientação pedagógica, como até no espaço físico: alguns dos prédios tiveram a sua arquitetura alterada com o passar do tempo. A Secretaria municipal de Educação informou que a rede da prefeitura conta com 99 Cieps de ensino fundamental, sendo 55 em turno único. Em 2013, mais 11 Cieps passarão a atender os alunos em horário integral, totalizando 66 unidades. A secretaria informou também que, em 2012, os 99 Cieps atenderam 77.218 estudantes.
Cada Ciep é composto, conforme o projeto original, por três construções distintas: o prédio principal, o salão polivalente e a biblioteca. Mas, desde a inauguração, houve críticas quanto ao barulho nas salas de aula, já que as paredes não iam até o teto. Por causa disso, em muitos prédios o projeto original foi modificado, para que as paredes fossem elevadas. As adaptações incluíram ainda a redistribuição dos espaços, como a ampliação de salas e auditórios.

E hoje, o que pensamos sobre os Cieps?
Será que ainda acreditamos que somos medidos por números?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião!